Álvaro reclama da falta de medicamentos e secretaria admite falta de dez tipos

Álvaro da Farmácia disse que também é preciso ter mais pontos de entrega de medicamentos

O vereador Álvaro da Farmácia usou o expediente da Palavra Livre na sessão do dia 5 de setembro para reclamar com o executivo a falta de medicamentos na rede pública. “Toda a vida é a mesma coisa”, desabafou. Segundo o parlamentar, é comum que as pessoas o abordem pela falta de medicamentos.

Ele contou na tribuna que ao chegar no Premir foi interpelado por quatro moradores que reclamaram a falta de alguns remédios. “Trabalhei 42 anos com remédios e alguém está errando. Não vou dizer que fulano ou fulano está errado”, disse.

Álvaro comentou que pode ser a falta de medicamentos no laboratório ou a falta de licitação, mas está faltando “alguma coisa que não está fechando”. Para o vereador é preciso uma melhor gestão no setor de distribuição. Há reclamações, segundo ele, da falta de sertralina outra hora é amitriptilina outra hora é Tegretol. “Esses medicamentos não podem faltar. Podem levar a óbito”, comentou.

O vereador ainda comentou que por faltar o medicamento, o médico acaba sendo culpado pelos usuários por indicar um produto que está em falta. “Não é o médico o culpado. É por que não tem o medicamento”, disse.

O parlamentar lembrou de uma reunião que participou juntamente com João do Gás, Duca e Edinho com o prefeito Renato Gama Lobo na qual ele havia dito que haveria casos que os pacientes receberiam atendimentos em casa. “A pessoa que é cadeirante, a vacina o técnico de enfermagem vai lá fazer na casa da pessoa”, contou.

Álvaro salientou que é preciso ter mais pontos de entrega de medicamentos. “Pessoas precisam sair lá do Ervino para vir aqui pegar o medicamento. Nem todos tem condições de fazer este deslocamento”, argumentou.

A Secretaria da Saúde foi procurada, através da assessoria de comunicação da prefeitura, para informar se há falta de medicamentos e quais, em que bairros ou regiões estão com a falta e as razões pelas quais não há alguns medicamentos. Até o fechamento desta matéria a secretaria não havia respondido as perguntas.

A Secretaria de Saúde admite a falta de medicamentos nas unidades de São Francisco do Sul. Problemas no reabastecimento do estoque teriam sido as causas da falta dos produtos. “As medicações estão disponíveis no almoxarifado mas precisam ser solicitadas com duas semanas de antecedência, para que cheguem antes do término das medicações disponíveis. Os medicamentos estão disponíveis no estoque do almoxarifado”.

A previsão é de que os medicamentos sejam entregues na segunda-feira e a situação seja normalizada.

Conforme a lista divulgada pela secretária faltam 10 tipos de remédios. São eles:
Anlodipino 10 mg
Captopril 50 mg
Complexo B
Cefalexina 500mg
Diosmina
Isordil 10 mg
Metronidazol 250mg
Norflaxacino 400 Mg
Sulfato ferroso
Sinvastatina 20 mg

Em março de 2013 foi quando começou a história do Folha Babitonga na versão impressa. De lá para cá muita coisa mudou e o jornal buscou se adequar as novas mídias. Por isso, em março de 2019 entramos em uma nova era. O Folha Babitonga tem se destacado pela produção de conteúdos próprios e focados em São Francisco do Sul. Para manter este trabalho, estamos realizando a campanha de contribuição. Sim. Os conteúdos permanecerão de acesso livre a todos os leitores.  Faça uma contribuição para nos ajudar a entregar um jornalismo comprometido com São Francisco do Sul e independente. Apoie o Folha Babitonga a partir de R$ 10. Obrigado.