Coluna de Bruna Machado: O remédio venceu em 2015, e agora?

 

Prezados leitores do centro do universo, da ilha mais importante do Brasil, da terceira cidade mais antiga, nossa São Chico! Tenho CER-TE-ZA que em um belo dia você teve aquela dor de cabeça, quis se automedicar, foi na sua minifarmácia em casa, mas quando viu… o remédio venceu em janeiro de 2015. E agora?

Pergunta que vale um milhão de reais, o que você faz com o remédio?
a) toma o remédio vencido, afinal a água da bica de São Chico te deu superpoderes;
b) joga o remédio na privada que nem o seu peixinho amarelo do ano passado;
c) joga tudo junto e misturado no lixinho da cozinha;

E aí? A pergunta foi cancelada pois NENHUMA das respostas estão corretas! Povo de São Chico, os remédios que já venceram NÃO devem ser ingeridos, NÃO devem ser jogados na privada e NÃO devem ser colocados no lixo comum. Eles DEVEM ser destinados em farmácias, Pontos de Atendimento à Saúde, ou até aos próprios fabricantes dos remédios.

 

Mas por quê? E eu keko? Segundo dados apurados em 2010 pela companhia Brasil Health Service (BHS), 1kg de medicamento descartado no esgoto pode contaminar até 450 mil litros de água. Além da contaminação na água, a destinação incorreta dos medicamentos pode poluir os solos, colocar em risco a vida de animais que poderão ter contato com esses remédios e até mesmo pessoas que possam mexer nos lixos e utilizar estes medicamentos.

No nosso Brasil verde e amarelo, há a Política Nacional de Resíduos Sólidos e algumas legislações da Anvisa que comentam, porém não são claras referente ao correto descarte e nem a responsabilidade perante os remédios vencidos. Entretanto, há um Decreto Nacional em votação (desde 2017, mas somos brasileiros e acreditamos que um dia será aprovado) que regulamenta a Logística Reversa de remédios vencidos e/ou em desuso. Neste, entre as diretrizes da minuta do decreto, drogarias e farmácias, em cidades com pelo menos 30 mil habitantes, ficam obrigadas a manter, dentro de seus estabelecimentos, pelo menos um ponto de coleta de medicamentos com os dizeres: “Descarte aqui os medicamentos vencidos, em desuso ou impróprios para consumo”.

E como diria Dona Altiva de A Indomada (sim, sou noveleira!), OXENTE, MY GOD! Já entendi onde NÃO devo jogar meus remedinhos vencidos, agora alguém poderia me falar onde eu POSSO descartar corretamente?
Infelizmente, no caso do nosso centro do universo, não são todas as farmácias que aceitam os remédios, mas os pontos de atendimento municipal à saúde aceitam (pelo menos recebi confirmação dos que eu fiz sinal de fumaça – Enseada e Majorca). Dessa forma, para ter certeza que não vai dar com a cara na porta, o ideal é ligar antes de levar!
É amigo…o mundo mudou e esqueceram de nos mandar um whats avisando!! É responsabilidade nossa como cidadão comprar conscientemente, usar corretamente e descartar adequadamente!

Para o nosso próximo encontro quero que você reflita sobre aquela pilha do controle remoto que parou de funcionar… o que você faz com ela?

 

Bruna F. Machado
Oceanógrafa e Eng. Ambiental
Equilíbrio Consultoria e Projetos Ambientais

Em março de 2013 foi quando começou a história do Folha Babitonga na versão impressa. De lá para cá muita coisa mudou e o jornal buscou se adequar as novas mídias. Por isso, em março de 2019 entramos em uma nova era. O Folha Babitonga tem se destacado pela produção de conteúdos próprios e focados em São Francisco do Sul. Para manter este trabalho, estamos realizando a campanha de contribuição. Sim. Os conteúdos permanecerão de acesso livre a todos os leitores.  Faça uma contribuição para nos ajudar a entregar um jornalismo comprometido com São Francisco do Sul e independente. Apoie o Folha Babitonga a partir de R$ 10. Obrigado.