Coluna de Bruna Machado: Que lixo é esse?

Prezados leitores, pela primeira vez estou escrevendo e resolvi começar publicando em um lugar muito especial… Como meu pai sempre fala: “no centro do universo, na ilha mais importante do Brasil, na terceira cidade mais antiga, nossa São Chico!”.

Pois então, em meio a vida corrida que temos, a rotina de trabalho, casa, trabalho, casa… não reparamos em algo que sempre estamos produzindo, nosso lixo!

Mas espera aí, o que é lixo? LIXO é tudo aquilo que não tem mais utilidade, segundo a nossa percepção.

Mas então o que ainda tem utilidade é o que? RESÍDUO é o que pode ser reutilizável, reciclado ou remanejado para outra pessoa ou função. Quando se esgotam as possibilidades de tratamento, recuperação e reciclagem, e a única possibilidade é a disposição final ambientalmente adequada, chamamos de REJEITO.

Após darmos os nomes aos bois, digo, lixo/resíduos/rejeito, me pergunto: Quanto produzimos de resíduos? O que se faz com o resíduo e lixo coletado? Quem coleta? Quem é responsável?

Como diria Jack, o estripador: “Vamos por partes”. A empresa que realiza a coleta de resíduos em São Francisco do Sul e em outros municípios da região é a Ambiental Limpeza Urbana e Saneamento Ltda.

Na ilha mais importante do Brasil, os resíduos são coletados separando em sólidos comuns (restos de comida, papéis de uso sanitário, fraldas, absorventes, etc.) e sólidos recicláveis (Plásticos, papelões e papéis não engordurados, vidros, madeiras, alumínio, etc.).

Entretanto, todavia, contudo, segundo informações atuais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (2019), APENAS 9% dos resíduos do município são encaminhados para reciclagem. Conforme dados da Secretaria, enquanto são recolhidos ao mês 1.283 toneladas de sólidos comuns; são coletados somente 73 toneladas dos recicláveis. Esses números são uma média mensal excluindo os meses de dezembro e janeiro, quando o volume é maior.

O que deve ser frisado aqui, é que além de muitos lugares não separarem o resíduo reciclável do comum, ainda há muitas dúvidas sobre o que é ou não reciclável. Na quantidade acima coletada de sólidos comuns há pelo menos 30%* de resíduos que poderiam ser recicláveis, mas serão dispostos em aterro como resíduos comum, sem reuso. Isso sem contar o que poderia ir para compostagem, mas aí deixamos para outro artigo.

E depois disso, o que acontece com o que é coletado? Depende. Os resíduos comuns são levados para um aterro sanitário localizado em Brusque onde são tratados e dispostos corretamente. Os resíduos recicláveis são destinados para cinco famílias que trabalham exclusivamente com a segregação do material (separam e encaminham para reciclagem).

Última pergunta e o restante fica para a próxima: Quem é responsável pelos resíduos? Essa é fácil! Todos nós somos responsáveis pela segregação, destinação e tratamento correto dos lixos/resíduos/rejeitos. As empresas de coleta e destinação são as que efetivamente são responsáveis pela ação de mexer com os resíduos, porém, o cidadão TAMBÉM é responsável pela segregação.

Quanto melhor separarmos os resíduos, mais material poderá ser reciclado, menos energia será gasta, menos será gasto com destinação em aterros e mais renda será gerada com a reciclagem. Já as entidades públicas são responsáveis por reger as legislações vigentes sobre os resíduos, fiscalizar e implantar ações para melhoria do gerenciamento dos resíduos.

Enfim, existem muitas informações sobre resíduos, diferentes formas para separar e destinar corretamente, mas primeiro devemos começar a fazer o básico de forma correta. Para o nosso próximo encontro gostaria de saber, você sabe onde jogar aquele remédio fora da validade, que está fazendo aniversário no seu armário?

*Pesquisa realizada em Diadema pela UNIFESP em 2013.

Bruna F. Machado
Oceanógrafa e Eng. Ambiental
Equilíbrio Consultoria e Projetos Ambientais

Em março de 2013 foi quando começou a história do Folha Babitonga na versão impressa. De lá para cá muita coisa mudou e o jornal buscou se adequar as novas mídias. Por isso, em março de 2019 entramos em uma nova era. O Folha Babitonga tem se destacado pela produção de conteúdos próprios e focados em São Francisco do Sul. Para manter este trabalho, estamos realizando a campanha de contribuição. Sim. Os conteúdos permanecerão de acesso livre a todos os leitores.  Faça uma contribuição para nos ajudar a entregar um jornalismo comprometido com São Francisco do Sul e independente. Apoie o Folha Babitonga a partir de R$ 10. Obrigado.