Coluna Joel Machado: Plim Plim

 

A rede Globo, foi inaugurada em abril de 1965, eu tinha nascido um ano antes. Com uma criatividade acima dos demais, prosperou a despeito dos radialistas, que acreditavam que jamais seriam suplantados, embora nos dias de hoje, estivessem certos, as rádios continuam se reinventando.

 

Não pretendo decertar a respeito da sobrevivência das mídias atuais, quero me concentrar na rede Globo e nos militares.

 

No dia 31 de março de 1964 foi instalado o regime de ditadura militar no Brasil, com o afastamento do Presidente da República, João Goulart, também conhecido como Jango, tomando o poder, o militar Marechal Castelo Branco. Na realidade, seu nome completo era Humberto de Alencar Castelo Branco, e a patente de Marechal é a maior designação militar do Exército e da Aeronáutica.

 

Vejam, duas datas históricas neste ano, e muito perto uma da outra, meu nascimento em 03 de fevereiro de 1964, e a instalação da ditadura no Brasil. Alguns historiadores referenciam dia 01 de Abril de 1964, o que não foi uma mentira, entendeu o trocadilho?

 

A primeira bobagem do Marechal foi promulgar o Ato Institucional 1, que dava direito ao executivo cassar, prender e esfolar. A segunda bobagem, foi promulgar o Ato Institucional 2, que acabava com o pluripartidarismo. Nesse ato, se promulgava a “lambança” da República das Bananeiras, com a criação da ARENA e MDB. E daí para frente, quem está vivo, e não perdeu a memória, sabe no que deu.

 

Mas eu quero voltar para a Rede Globo. Não me desviem do objetivo, “táokey”?

 

Vejam, não sou eu quem está contando, constam em documentos históricos que Roberto Marinho foi uns dos principais articuladores da ditadura militar. No dia 14 de agosto de 1965, eu já tinha feito um ano de vida, Roberto Marinho se encontra com o embaixador dos Estados Unidos da América, Lincoln Gordon, para tratar da sucessão do Marechal. O cara a ser trabalhado era o General Emílio Garrastazu Médici. Que realmente foi escolhido para governar de 1969 a 1974. Neste período, eu já com 5 anos, um menininho lindo, escolhia o Palmeiras como time do coração, o mesmo do aloprado. Vejam que entre nós, temos coisas em comum. Mulher bonita e time de futebol, mas é só!

 

Já volto a Rede Globo, mas não posso passar por este período sem falar do Ato Institucional 5, que cassam os mandatos de todos os congressistas contrários ao regime militar. Foi o mais duro golpe, das 17 bobagens promulgadas. O número 17 é o mesmo do Programa Social de Laranjas (PSL), será uma mera coincidência?

 

Em 02 de setembro de 2013, no Jornal Nacional, William Bonner lê um editorial que, a Rede Globo admite o apoio ao golpe militar, e isso foi um erro.

 

Também há um fato histórico relacionado, na copa de 70, João Saldanha, técnico da Seleção, rebateu para à ditadura que Presidente escala ministros, e ele escala jogadores. Foi demitido, o Brasil foi campeão, os colunistas da Globo saíram em defesa do Saldanha. Roberto Marinho foi questionado a respeito de seus colunistas pela ditadura militar, e saiu com uma pérola: Dos meus comunistas, cuido eu!

 

“Neste momento que escrevo este texto, me levanto para pegar um copo de água e dou uma viajada nas notícias. Sou informado pela imprensa que um dos três Patetas, do aloprado, afirma que se a oposição sair do controle, outro Ato institucional 5 será promulgado. Não vou falar o nome do cidadão, pois como dizia Ricardo Boechat: Não vou dar palanque para otário!

 

Aliás, peço desculpas em público para a Disney e ao Moe, Larry e Shemp, os verdadeiros 3 Patetas que não merecem a ofensa!”

 

Rede Globo, foco… foco… foco…

 

Ontem, “O é da Coisa”, ancorado pelo inteligentíssimo Reinaldo Azevedo na BandNewsFM, comentou uma preciosidade: Quem defende a guilhotina, entra na fila!

 

Assim como o revolucionário francês Maximilien de Robespierre, e o inventor do vai para a fita, o médico francês Joseph-Ignace Guillotin, morreram na guilhotina.

 

Acho que a Rede Globo está tentando sair da fila!

 

Desisto, não consigo terminar este texto no qual a Rede Globo seria o assunto, sou censurado pelo Editor Chefe do jornal, me obrigando a ter um tamanho de texto fixo, que não cabe quase nada, sou boicotado pelas redes sociais, onde o passado é em segundos, principalmente com essa “Trupe do barulho”!

 

Volto quando estiver mais calmo.

 

Em março de 2013 foi quando começou a história do Folha Babitonga na versão impressa. De lá para cá muita coisa mudou e o jornal buscou se adequar as novas mídias. Por isso, em março de 2019 entramos em uma nova era. O Folha Babitonga tem se destacado pela produção de conteúdos próprios e focados em São Francisco do Sul. Para manter este trabalho, estamos realizando a campanha de contribuição. Sim. Os conteúdos permanecerão de acesso livre a todos os leitores.  Faça uma contribuição para nos ajudar a entregar um jornalismo comprometido com São Francisco do Sul e independente. Apoie o Folha Babitonga a partir de R$ 10. Obrigado.